GINGER - Fitoterapia

Anonim

fitoterapia

fitoterapia

Fitoterapia: plantas de A a Z

Leia as descrições das plantas ALOE ALTEA ABACAXI ANGELICA anis chinês VERDE DO DIABO CLAW (Harpagophytum) bardana Biancospino BOSWELLIA MARIGOLD camomilla Carciofo cardo de leite CASCARA CENTELLA cimicifuga TURMERIC EQUINÁCEA ELEUTHEROCOCCUS Elicriso ENOTERA ESCHOLTZIA EUCALIPTO EUGENIA CARYOPHILLATA (CLOVE) FICO Fennel Frangula FUCO (ALGA BRUNA MARINA) GARCINIA GENZIANA GIMNEMA GINkgO GINSENG GLUCOMANNAN GRINDELIA GUARANÀ HIPERICINA CAVALO CASTANHO LIQUORICE MALVA MANNA MELALEUCA (ÓLEO DE ÁRVORE DE CHÁ) MELISSA BLUEBERRY BLUEBERRY BLUEBERRY AMERICAN RED CRYCNAUS TUSCANA PRINCIPAL
  • Leia as folhas de dados da planta
  • ALOE
  • ALTEA
  • ABACAXI
  • ANGELICA CHINESA
  • ANIS VERDE
  • GARRA DO DIABO (ARPAGOFITO)
  • bardana
  • HAWTHORN
  • BOSWELLIA
  • MARIGOLD
  • camomilla
  • ARTICHOKE
  • CARDO MARIANO
  • CASCARA
  • CENTELLA
  • Cimicifuga
  • TURMERIC
  • EQUINÁCEA
  • ELEUTHEROCOCCUS
  • Elicriso
  • Prímula
  • ESCHOLTZIA
  • EUCALIPTO
  • EUGENIA CARYOPHILLATA (PREGOS DE CRAVO)
  • FICO
  • FENNEL
  • espinheiro
  • FUCO (ALGA BRUNA MARINA)
  • GARCINIA
  • GENZIANA
  • Gymnema
  • ginkgo
  • GINSENG
  • GLUCOMANNANO
  • grindelia
  • GUARANA
  • IPERICO
  • CASTANHA
  • Liquirizia
  • MALLOW
  • MANÁ
  • MELALEUCA (ÓLEO DE ÁRVORE DE CHÁ)
  • MELISSA
  • BLACK BLUEBERRY
  • AMERICANA VERMELHA (AMENDOIM)
  • PAIXÃO
  • PROPOLI
  • psyllium
  • RIBES
  • SALGUEIRO
  • SENNA
  • serenoa
  • SOJA
  • tanásia
  • CHÁ VERDE
  • LIME
  • TIMO
  • Uncaria
  • URSINA UVAS
  • VALERIANA
  • GINGER
    • Planta e uso tradicional
    • eficácia
    • Uso seguro
    • Dicas e recomendações

GINGER

Voltar ao menu


Planta e uso tradicional

O gengibre pertence à família Zingiberaceae. O rizoma é comumente usado para fins terapêuticos, por exemplo, no tratamento de doenças do carro, náuseas nos primeiros meses de gravidez e causadas por quimioterapia ou cirurgia, para distúrbios digestivos, perda de apetite, anorexia, infecções respiratórias, tosse, bronquite e muitas outras doenças; na cozinha é usado como aromatizante, em sabonetes e cosméticos como fragrância.

Voltar ao menu


eficácia

Estudos específicos demonstraram a eficácia do gengibre no tratamento de náusea nos primeiros meses de gravidez, nas náuseas e vômitos que ocorrem após a cirurgia e nas tonturas; sua ação contra a doença do carro é menos verificada, enquanto faltam evidências científicas de eficácia para outros usos terapêuticos comuns.

Voltar ao menu


Uso seguro

O gengibre tem sido amplamente estudado e, por esse motivo, é mencionado nas monografias da ESCOP e da OMS e na Farmacopeia Europeia.

A planta é tolerada suficientemente bem se usada em doses e horários apropriados, enquanto em doses muito altas (5 g por dia) pode causar o aparecimento de efeitos colaterais como dor abdominal, azia, diarréia e sensação de irritação na boca e no corpo. garganta semelhante à que pode causar pimenta.

O gengibre pode aumentar os níveis de insulina no sangue. Sua interação com a varfarina (medicamento anticoagulante) é possível, por isso parece prudente que aqueles que são tratados com esse medicamento e pretendem tomar gengibre informem o médico, de modo a aumentar a frequência dos exames, se necessário.

Alguns estudos realizados em mulheres que tomaram gengibre nos primeiros meses de gravidez sugerem que esta planta não tem efeitos negativos sobre o feto. É absolutamente essencial, no entanto, que as mulheres que pretendem tomar gengibre para tratar a doença da manhã conversem com seu médico e analisem com sua ajuda os prós e contras de sua escolha.

Voltar ao menu


Dicas e recomendações

O gengibre pode ser útil na prevenção e terapia de náusea e vômito em geral e, com as precauções mencionadas acima, de náusea e vômito persistente na gravidez.

Pacientes que recebem anticoagulantes e mulheres grávidas devem tomar gengibre apenas mediante receita médica.

Voltar ao menu