Rotulagem - Alimentos

Anonim

poder

poder

Segurança alimentar

Percepção de riscos e segurança alimentar: o que pensam os consumidores europeus? Nível de segurança alimentar na Europa Desde o Livro Branco sobre segurança alimentar até o momento Controles na Europa e na Itália Autocontrole "Controle oficial" Organização do sistema oficial de controle de alimentos na Itália Rotulagem Aditivos alimentares Aditivos alimentares aprovados pela UE Produtos fitofarmacêuticos (ou pesticidas ou pesticidas) Rotulagem nutricional Segurança nutricional Segurança alimentar em casa
  • Percepção de riscos e segurança alimentar: o que pensam os consumidores europeus?
  • Nível de segurança alimentar na Europa
  • Do Livro Branco sobre segurança alimentar até hoje
  • Cheques na Europa e Itália
  • Autodomínio
  • "Controle oficial"
  • Organização do sistema oficial de controle de alimentos na Itália
  • rotulagem
    • Rotulagem de alérgenos: Diretiva 2003/89 / CE e alterações subsequentes
    • Lista de substâncias alergênicas
  • Aditivos alimentares
  • Aditivos alimentares aprovados pela UE
  • Produtos fitofarmacêuticos (ou pesticidas ou pesticidas)
  • Rotulagem nutricional
  • Segurança nutricional
  • Segurança alimentar em casa

rotulagem

As pessoas querem saber o que comem: a informação do consumidor é um direito. A rotulagem pode ajudar nesse sentido.

Rotulagem é o conjunto de menções, indicações, marcas registradas ou marcas comerciais, imagens ou símbolos que se referem ao produto alimentício, informações legíveis na embalagem, no dispositivo de fechamento, em sinais, anéis ou faixas amarrados ao produto ou, na falta destes, nos documentos anexos.

Legislação de referência. Decreto Legislativo 27 de janeiro de 1992, n. 109: "Aplicação das Directivas 89/395 / CEE e 89/396 / CEE relativas à rotulagem, apresentação e publicidade de produtos alimentares".

Decreto Legislativo 23 de junho de 2003, n. 181: "Aplicação da Diretiva 2000/13 / CE relativa à rotulagem e apresentação de produtos alimentares, bem como à publicidade relativa".

A legislação destaca o princípio de que a rotulagem de alimentos visa garantir informações corretas e transparentes dos consumidores e não deve:

  • induzir o comprador em erro sobre as características dos alimentos e precisamente sobre a natureza, identidade, qualidade, composição, quantidade, conservação, origem ou procedência e a maneira de fabricar ou obter o produto;
  • atribuir aos efeitos ou propriedades dos produtos alimentares que não possui;
  • sugerir que esse produto em particular tenha características particulares, quando todos os alimentos similares tiverem características idênticas;
  • Atribuir às propriedades dos produtos alimentares capazes de prevenir, tratar ou curar uma doença humana ou mencionar essas propriedades, sem prejuízo das disposições comunitárias relativas às águas minerais e aos produtos destinados a fins nutricionais específicos.

Indicações no rótulo As seguintes indicações devem aparecer:

  • denominação de vendas;
  • lista de ingredientes. Por ingrediente entende-se qualquer substância, incluindo aditivos, utilizada no fabrico ou preparação de um produto alimentar, ainda presente no produto acabado, mesmo que sob uma forma modificada. Os ingredientes são listados em ordem decrescente de peso quando usados;
  • quantidade líquida ou, no caso de produtos pré-embalados em quantidades unitárias constantes, a quantidade nominal;
  • período mínimo de armazenamento ou, no caso de produtos altamente perecíveis do ponto de vista microbiológico, o prazo de validade. Por termo mínimo de armazenamento, significa a data até a qual o produto alimentício retém suas propriedades específicas sob condições adequadas de armazenamento; deve ser indicado com a menção "a ser consumida preferencialmente até" quando a data contiver a indicação do dia ou com a menção "a ser consumida preferencialmente até o final" em outros casos, seguida pela data ou pela indicação do ponto da embalagem em que figura. Para produtos que são rapidamente perecíveis do ponto de vista microbiológico e que podem constituir um risco para a saúde após um curto período de tempo, o prazo mínimo de armazenamento é substituído pelo prazo de validade e envolve a declaração das condições de armazenamento e, se necessário, uma referência à temperatura em que o período de validade foi determinado. A data de validade deve ser precedida pela menção "a ser consumida por", seguida pela data (dd / mm / aa) ou pela menção do ponto da embalagem em que aparece;
  • nome ou nome da empresa ou marca registrada ou sede do fabricante ou embalador ou vendedor;
  • sede da planta de produção ou embalagem;
  • título alcoométrico volúmico adquirido das bebidas com um teor alcoólico superior a 1, 2% vol;
  • uma redação que identifique o lote ao qual o produto pertence;
  • métodos de conservação e uso, se for necessário tomar precauções específicas de acordo com a natureza do produto;
  • instruções de uso, quando necessário;
  • local de origem ou proveniência, caso a omissão possa induzir o comprador em erro;
  • quantidade de certos ingredientes ou categorias de ingredientes.

Voltar ao menu


Rotulagem de alérgenos: Diretiva 2003/89 / CE e alterações subsequentes

Cerca de 2% dos adultos e 5% das crianças têm alergias alimentares. As consequências dessas alergias podem ser muito graves; isso resulta na necessidade de fornecer aos consumidores informações mais completas sobre a composição dos produtos alimentícios por meio de rotulagem abrangente. A diretiva da UE estabelece uma lista de alérgenos que devem aparecer nos rótulos dos produtos alimentícios, incluindo bebidas alcoólicas.

Voltar ao menu


Lista de substâncias alergênicas

  • cereais contendo glúten (isto é, trigo, centeio, cevada, aveia, espelta, kamut ou suas cepas hibridizadas) e produtos derivados;
  • crustáceos e derivados;
  • ovos e derivados;
  • peixe e derivados;
  • amendoim e derivados;
  • soja e derivados;
  • leite (lactose) e derivados;
  • nozes, ou seja, amêndoas (Amigdalus communis L.), avelãs (Corylus avellana), nozes comuns (Juglans regia), castanha de caju (Anacardium WESTERN), nozes (Carya illinoiesis [Wangenh] K. Koch), castanha do Brasil (Bertholletia excelsa), pistache (Pistaciavera), nozes de Queensland (Macadamiaternifolia) e derivados;
  • aipo e derivados;
  • mostarda e produtos derivados;
  • sementes de gergelim e produtos derivados;
  • dióxido de enxofre e sulfitos em concentrações superiores a 10 mg / kg ou 10 mg / l, expressas em SO2;
  • tremoço e derivados;
  • moluscos e derivados.

De acordo com a diretiva, essas substâncias devem ser claramente indicadas no rótulo, se estiverem presentes como ingredientes do próprio produto e se estiverem contidas como aditivos e adjuvantes tecnológicos, e se estiverem presentes como resíduos ou contaminantes decorrentes de práticas de processamento.

Voltar ao menu